Atualmente as empresas podem compensar em SEFIP/GFIP: salário família, salário maternidade, retenções da Lei 9.718/98 (INSS retido em notas fiscais) e eventuais recolhimentos de INSS realizados a maior ou indevidamente.
 
Os valores de salário família e salário maternidade passarão a constar na DCTFWeb por meio dos eventos transmitidos ao eSocial. A compensação decorrente destes valores ocorrerá de forma automática pela DCTFWeb.

As retenções de INSS realizadas em notas fiscais de prestação de serviços, que anteriormente eram prestadas no campo de “Retenções” da SEFIP/GFIP, passarão a constar na DCTFWeb por meio da transmissão de eventos à EFD Reinf. Assim como ocorre com os valores de salário família e salário maternidade, a compensação ocorrerá de forma automática, conforme demonstrado no exemplo de tela da DCTFWeb abaixo:

 
 

Com relação às demais compensações, decorrentes de pagamentos anteriores realizados a maior ou indevidamente, ou ainda em decorrência de determinação judicial por decisão transitada em julgado, o procedimento é diferente. Para a materialização destas compensações, é necessário que seja habilitado o crédito no PER/DCOMPWeb.
 
O PER/DCOMPWeb é uma aplicação existente no Portal e-CAC que permite ao contribuinte realizar o pedido de restituição e a declaração do Pagamento Indevido ou a Maior em DARF ou GPS. É por meio desta aplicação que as empresas poderão realizar a nova compensação cruzada (compensação entre diferentes tributos federais, incluindo a contribuição previdenciária). Assim como para acesso à DCTFWeb, é necessário ter certificado digital para acessar o PER/DCOMPWeb.
 
Para que os créditos estejam disponíveis no PER/DCOMPWeb é necessário habilita-los de acordo com as instruções contidas na Instrução Normativa RFB nº 1.717, de 2017. Recomendamos que busquem informações com o departamento fiscal/contábil da sua empresa, pois estes departamentos geralmente possuem o knowhow de utilização desta aplicação. Vale destacar que, nos casos de créditos decorrentes de decisão judicial transitada em julgado, a empresa deverá  formalizar processo com pedido de habilitação de crédito decorrente de decisão judicial transitada em julgado, nos termos do art. 100 da Instrução Normativa RFB nº 1.717, de 2017. Nesta situação, os créditos somente estarão disponíveis para utilização na DCTFWeb após o deferimento do pedido de habilitação pelo Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil.
 
Após a habilitação dos créditos no PER/DCOMPWeb, a empresa deverá informar a categoria da DCTF (exemplo: mensal, décimo terceiro...) e o período de apuração dos débitos que deseja compensar. Os débitos serão importados automaticamente da última DCTFWeb transmitida pela empresa para a categoria e período de apuração informados. A empresa deverá, então, informar o valor que deseja compensar de cada item, limitado ao saldo a pagar constante da DCTF Web.
 
Após a utilização do PER/DCOMPWeb para compensação de débitos apurados na DCTFWeb, não é necessário retornar e retificar a DCTFWeb para informar a realização da compensação (DCOMP), caso tenha sido compensado valor total de contribuição previdenciária (INSS) apurado pela DCTFWeb. Caso a compensação seja parcial, ou seja, apenas reduz parte do valor a pagar, é necessário retornar ao DCTFWeb, editar a guia mantendo apenas os valores que deverão ser recolhidos ( conforme informado no PER/DCOMP Web) e então prosseguir com a emissão da guia.

 
Para maiores informações:
 
https://idg.receita.fazenda.gov.br/noticias/ascom/2018/agosto/dctfweb-entra-em-producao-e-substituira-a-gfip/esclarecimentos-dctfweb.pdf;
 
https://idg.receita.fazenda.gov.br/orientacao/tributaria/restituicao-ressarcimento-reembolso-e-compensacao/perdcomp/perdcomp-web/perdcomp-web#contribuintes-do-esocial